Desenvolvimento sustentável

Da wiki Solecopedia
Revisão em 09h21min de 4 de abril de 2010 por Migjp (Discussão | contribs)
(dif) ← Revisão anterior | Revisão atual (dif) | Revisão seguinte → (dif)
Ir para: navegação, pesquisa

Tradução do termo inglês "Sustainable development", o desenvolvimento sustentável é um termo que apareceu na década 1980, como resposta às interrogações sobre as consequencias sociais e meio-ambientais do crescimento econômico. Um tempo em competência com o conceito de eco-desenvolvimento, termo usando-se em maior proporção e está amplamente utilizado na atualidade, en acepções a menudo múltiples.

O desenvolvimento sustentável tornou-se um tema de preocupação para a comunidade internacional, ao longo de uma longa série de consultações.

Em 1992, durante a Cimeira da Terra do Rio de Janeiro, proclamaram-se os 27 princípios da declaração do Rio sobre o desenvolvimento sustentável. Os três pilhares do desenvolvimento sustentável enunciaram-se pela primeira vez a nível internacional e elaborou-se a Agenda 21 para as coletividades territoriais.

Em 2002, durante a Cimeira da Terra em Johanesburgo, as grandes empresas estão representadas pela primeira vez.

No transcurso destes encontros, representantes dos atores sociais (stakeholders) (ONG, Estados, depois empresas) discutem dos grandes desafios mundiais, mas tambén dos modos de pilotagem a implementar nas coletividades e as empresas para realizar concretamente o conceito de desenvolvimento sustentável.

Definições

De acordo com a definição proposta em 1987 pela Comissão Mundial sobre Meio-Ambiente e Desenvolvimento no Relatório Brundtland, o desenvolvimento sustentável é:

"um desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente, sem comprometer a capacidade das gerações futuras, de satisfazer suas próprias necessidades. Dois conceitos são inerentes a esta noção : o conceito de « necessidades », e em particular as necessidades básicas dos mais pobres aos que é necessário dar a prioridade, e a ideia de limitações que o estado da nossa organização social impõe sobre a capacidade do meio-ambiente a satisfazer as necessidades presentes e futuras."

Uma definição habitualmente admitida do desenvolvimento sustentável está orientada à « implementação de un certo número de princípios que contribuem à melhoria do bem-estar, a mais justiça social, ao respeito dos ecossistemas.»


Três ou quatro pilhares do desenvolvimento sustentável

O desenvolvimento sustentável está habitualmente representado como a interseção de quatro esferas : a esfera meio-ambiental, a esfera social e a esfera econômica. Acrescenta-se a menudo uma quarta dimensão ou esfera a esta representação simplificada. Esta designa a menudo, sob um jeito ou outro, a função política ou regulatoria : Política, Regulação, e às vezes Cultura.

Este modelo de desenvolvimento sustentável tem o mérito de destacar a interdependência dos distintos domínios, que beneficiam de uma autonomia relativa (mas não absoluta) : o meio-ambiente, o econômico, o social, e inclusive o político ou o cultural. Lembramos que o desenvolvimento sustentável não reduz-se a tomar em conta o meio-ambiente, como pode-se observar demasiadas vezes. Porém, as relações entre estas dimensões devem ser analizadas além do que supõe esta representação simplificada.


Rumo a um novo modelo do desenvolvimento sustentável

Estas representações simplificadas sofreram críticas de várias partes. A corrente da Economia ecológica observa que a interdependência das esferas entre elas, na prespectiva de um desenvolvimento sustentável, é asimétrica, já que o meio-ambiente é a condição sine qua non das atividades econômicas e sociais da espécie humana, o inverso não é certo. Martin O'Connor propõe assim um "modelo tetraédrico do desenvolvimento sustentável", que constrói ampliando os análisis do René Passet.

Nesta óptica, o desenvolvimento sustentável é o objeto de negociações, arbitragens ou deliberações, entre opções sociais entre as que nenhuma é a solução optimal. O desenvolvimento sustentável aparece assim a muitos atores como uma utopia necessária, no limite de decisões necessariamente imperfeitas.


Referências

  • René Passet : L'économique et le vivant, 1979 (em francês)
  • Martin O'Connor : Le modèle Tétraêdrique du Développement Durable, septembre 2005 (em francês)